Avançar para o conteúdo principal

Implicações éticas da clonagem

"Sem dúvida que a clonagem terapêutica pode trazer muitas vantagens para a humanidade, mas quanto à clonagem reprodutiva não há tantas certezas.
Um dos casos que evidencia o perigo do uso da clonagem para outros fins é a experiência feita com a ovelha Dolly, que foi o primeiro animal a surgir deste procedimento. As esperanças aumentaram quando se percebeu que afinal era possível clonar mamíferos mas rapidamente surgiram desilusões ao ser constatado que Dolly sofria de múltiplas doenças, como problemas respiratórios e envelhecimento precoce, levando ao abate da ovelha. Estas doenças em humanos seriam catastróficas, já para não falar de muitas outras que apareceriam como consequência. Para clonar esta ovelha foram necessárias cerca de 277 tentativas e isto, realizado num ser humano, traduzir-se-ia em 277 mortes embrionárias, ou seja, 277 seres humanos.
Outro dos problemas levantados foi o facto de se poderem vir a esgotar os recursos naturais, visto que a população aumentaria drasticamente, já que a facilidade da clonagem seria muita e assim, a produção não seria suficiente para poder alimentar um elevado número de pessoas. 
Por outro lado surgiu a questão ética, em que ao clonar um ser se comprometeria a sua individualidade e existência, para além de que poderia ser alvo de rejeição e descriminação por parte do resto da sociedade. Ainda dentro deste tema controverso aparece a perda de variabilidade genética que, caso se avance com a clonagem, fará com que a semelhança entre seres humanos seja ainda maior e nalguns casos não permita a sua distinção.
A possibilidade de se avançar com este novo processo científico tão polémico e complexo, gerou outro dilema: poder-se-ia fazer dos seres humanos aquilo que se pretendia, ou seja, estes iriam ser tratados como simples objectos já que, mesmo antes de serem gerados, se decidiam as suas características. A heterogeneidade humana desapareceria com a o aparecimento do Homem perfeito, aquele que é idealizado por todos como um modelo e deste modo, poderíamos designar ser humano como um ser geneticamente perfeito e modificado, o que vai contra a própria natureza humana."
in outrapresenca.com