Avançar para o conteúdo principal

De que falamos quando falamos de igualdade? por António Paulo Costa

As ideias de igualdade e de equidade são caras ao pensamento ocidental e desempenham um papel central na construção de uma concepção filosófico-política igualitarista. Que concepção é esta?
Num certo sentido, o Cristianismo pode ser visto como uma concepção igualitarista, pois defende que somos todos iguais aos olhos de Deus; e na linguagem popular é frequente dizer-se que todos os cidadãos são iguais aos olhos da lei. Mas, o que significa dizer-se que «somos todos iguais»? Não pode tratar-se de uma afirmação empírica, que rapidamente seria desmentida pelo facto de algumas pessoas serem mais altas, mais saudáveis, mais inteligentes, mais bonitas ou mais bem sucedidas, enquanto outros o são menos. Só pode tratar-se de alguma espécie de afirmação normativa.
Mas se «somos todos iguais» significa «deveríamos ser todos iguais», representará isto um desejo de completa uniformidade? «Igualdade» significa «uniformidade»? Ninguém estará disposto a defendê-lo, e aqueles que se opõem ao igualitarismo escusam de apelar às diferenças factuais entre as pessoas para atacar o igualitarismo, pois não é de uniformidade que se trata.
(...)
O que significa, então, ser igualitarista? Eu posso, por exemplo, ser um igualitarista das oportunidades, e defender a igualdade no acesso à participação cívica, à riqueza ou aos empregos. Isto não significa que eu seja uniformista, isto é, que eu deseje que todos tenham os mesmos lugares públicos, os mesmos cêntimos ou a mesma profissão. Também não estaria a defender que qualquer cidadão possa ter qualquer emprego, mas apenas que indivíduos em condições semelhantes – por exemplo, com as mesmas habilitações, aptidões físicas e psíquicas, motivação e experiência - possam beneficiar de idêntica oportunidade no acesso a uma dada profissão. Pode-se, pois, ser igualitarista em certos aspectos, mas não noutros. Por isso, é difícil encontrar uma definição explícita e abrangente de igualitarismo.
De uma forma minimalista, designam-se «igualitaristas» todas as posições que defendem que a vida social e política deveria promover a igualdade entre as pessoas. O problema da discriminação positiva é um dos que mais interpela as nossas concepções igualitaristas.
António Paulo Costa in http://www.aartedepensar.com/filosofiapolitica.pdf