Avançar para o conteúdo principal

O partido da cadeira vazia - por Anselmo Borges

Todos somos animais políticos e, consequentemente, responsáveis pela condução da pólis. Estou de acordo com o Papa Francisco, com a observação de que, embora ele se refira só aos cristãos, o aviso é para todos: "Envolver-se na política é uma obrigação para o cristão. Enquanto cristãos não podemos lavar as mãos como Pilatos. Temos de nos meter na política, porque a política é uma das formas mais altas da caridade, pois procura o bem comum. Os leigos cristãos devem trabalhar na política. A política está muito suja, mas eu pergunto: "Está suja porquê?" Porque os cristãos não se meteram nela com espírito evangélico? É uma pergunta que eu faço. É fácil dizer que a culpa é dos outros... Mas eu o que é que faço? Isto é um dever! Trabalhar para o bem comum é um dever para um cristão."
Tenho escrito aqui permanentemente que considero a actividade política - também no sentido mais estrito da governação - uma actividade nobre, das mais nobres. Quando isso acontece no quadro do trabalho para o bem comum, antepondo o interesse comum aos interesses próprios e dos partidos.
Mas, quando observo a corrida vertiginosa e tão interessada de tantos a candidatos para cargos políticos em disputa, tenho de confessar, sinceramente, que não acredito que a maior parte o faça generosamente, por amor à causa pública, ao serviço do bem comum. Que interesses, que vantagens, que compadrios, que cumplicidades, que privilégios, que benesses, que vaidades os movem?
O que é facto é que uma enorme maioria dos portugueses está desiludida com os políticos. Presidência da República, Assembleia da República, Governo, Oposição, Partidos, Tribunais encontram a tristeza e a desconfiança dos portugueses. Há a percepção vaga de que Governo e Oposição ocultam sempre qualquer coisa.
Tudo isto vem de muito longe. Desde há muito tempo que o privilégio e a irresponsabilidade se apoderaram do comando. Os mais atentos e reflexivos perguntam a si próprios como se chegou até aqui, à situação de desamparo e de confusão generalizada. É evidente que o País deu um salto positivo imenso - é ignorância ou desonestidade pura querer comparar a situação actual com o tempo de Salazar -, mas a incompetência e a irresponsabilidade de quem tinha mais obrigações na liderança foram-nos pondo no caminho de um futuro dramaticamente imprevisível e sem alternativas.
Sobre responsabilidade, permita-se-me, a título de exemplo, que volte aos considerandos do Tribunal da Relação do Porto sobre o trabalhador alcoolizado. Pode ler-se no acórdão: "Não há nenhuma exigência especial que faça com que o trabalho não possa ser realizado com o trabalhador a pensar no que quiser, com ar mais satisfeito ou carrancudo, mais lúcido ou, pelo contrário, um pouco tonto." E continuam os magistrados: "Note-se que, com álcool, o trabalhador pode esquecer as agruras da vida e empenhar-se muito mais a lançar frigoríficos sobre camiões" (note-se que se tratava de um empregado da recolha do lixo), "e por isso, na alegria da imensa diversidade da vida, o público servido até pode achar que aquele trabalhador alegre é muito produtivo e um excelente e rápido removedor de electrodomésticos". Pense-se: os professores, os médicos, os ministros, os bispos, os juízes... também terão as suas agruras da vida e julgo que, nas instituições em que trabalham, não existirá nenhuma norma a proibir o consumo de álcool; portanto... Os considerandos são de uma insensatez inqualificável.
Reforme-se o Estado e a política, a começar por cima. Corte-se nos privilégios de tantos, incluindo juízes e ex-presidentes da República, reduza-se o excesso de mordomias, fundações, empresas municipais..., siga-se "a navalha de Ockam": "Não multiplicar os entes sem necessidade."
E haveria um teste poderoso, que eu sei que é perigoso e não aplicável. Mesmo assim, de vez em quando, surge a tentação. Nas eleições, os votos em branco traduzir-se-iam, segundo a lei da proporção, em cadeiras vazias no Parlamento. Seria o "partido da cadeira vazia". Poupava-se dinheiro e retórica de sofistas, inútil e manhosa.
Anselmo Borges in dn.pt