Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2012

Vida e significado

A vida não tem um significado em si, nós é que o criamos, de maneira consciente ou não. Porém, nascemos com um sentido: procurar o prazer e fugir da dor. Dependendo do "objeto" com o qual se aprende a ter prazer ou dor, o sentido da vida, e por vezes seu significado, fica estabelecido. O sentido da vida é pois o direcionamento colocado no viver, tendo como base o significado dado a essa mesma atividade; dar sentido à vida significa assim inventar uma bússola para o viver, a partir da qual a realidade recebe um significado. F.Lopes

Encarar a Morte - por Agostinho da Silva

É talvez sinal de prisão ao mundo dos fenómenos o terror e a dor ante a chegada da morte ou a serena mas entristecida resignação com que a fizeram os gregos uma doce irmã do sono. Para o espírito liberto ela deve ser, como o som e a cor, falsa, exterior e passageira; não morre, para si próprio nem para nós, o que viveu para a ideia e pela ideia.
Não é mais existente, para o que se soube desprender da ilusão, o que lhe fere os ouvidos e os olhos do que o puro entender que apenas se lhe apresenta em pensamento; e tanto mais alto subiremos quando menos considerarmos a morte como um enigma ou um fantasma, quanto mais a olharmos como uma forma entre as formas.
Agostinho da Silva, in 'Diário de Alcestes'

Sentidos: sonho e utopia: "Eduardo Galeano - El Derecho al Delirio "

Sentido: busca da felicidade - por Alexandre Perlingeiro

"A maioria dos contos de fada termina com um beijo entre o herói e a donzela selando o início de uma felicidade duradoura e eterna, o famoso e tão ambicionado final feliz. O beijo é um prémio, um símbolo, um marco; representa uma mudança de paradigma. Para chegar ali os heróis e heroínas tiveram que passar por provas e superar obstáculos a fim de conquistar e selar sua união e felicidade eternas. E a partir desse momento eles viverão felizes para sempre! Foi assim com Branca de Neve, é assim com quase todas as teledramaturgias... toda a trama se desenrola até o final feliz. E, aí acaba. Passamos nossas vidas atrás desses finais felizes. Somos carentes de finais felizes. Mas, quando o alcançamos, o que acontece? Um dia a gente finalmente encontra o nosso príncipe ou a nossa princesa encantado(a), e aí? O conto de fadas ou a novela não revelam, mas a vida continua. Sobra para nós, pobres mortais, a tarefa de escrever esse capítulo que jamais será exibido. O dia-a-dia, a rotina, os filh…

"Há sentidos na vida?" - por Gilberto da Silva

"Viver tem sentido. Compreender o significado da vida nem sempre tem sentido. Entendê-la, decifrá-la é a tarefa mais difícil de ser cumprida. Viver hoje, na maioria dos casos, num quotidiano stressante, violento e impiedoso. É um convite à resistência. Resistir à infelicidade que teima em colocar-se presente em todos os momentos. O espanto da humanidade moderna e a incredulidade são os pequenos, fugidios e sempre sonhados "Momentos de Alegria", "instantes de felicidade". É por estes maiores (e melhores) momentos de felicidade e de alegria, que muitos lutam. Recorro a um pensador marxista alemão, um "iluminista", Walter Benjamin, para recordar que construir a história é "recolher os restos esquecidos dessa História". Os derrotados, os esquecidos, os incompreendidos e as "latas de lixo da História" devem ser resgatados. Dessa forma, colocá-los num novo recipiente, e assim, mesclando passado e presente, restituir e reconstruir novos …

Que sentido?

Sentidos

Insignificantes mortais que como as folhas desabrocham e aquecem de vida, e se alimentam dos que o chão lhes dá, para logo murcharem a de seguida morrerem.
Homero, século IX a. C., poeta grego, Ilíada
Quando considero a curta duração da minha vida, engolida na eternidade do antes e do depois, e o pequeno espaço que eu preencho, e posso ver, ultrapassado pela infinita imensidão de espaços que ignoro e que não me conhecem, fico assustado, e espantado por estar aqui em vez de lá; porque não há razão para aqui em vez de lá, ou agora em vez de então. Quem me pôs aqui? Por ordem de quem e em que direcção este lugar e tempo me foram atribuídos?
B. Pascal, 1623-1662, filósofo, físico e matemático francês
Acredito que o propósito da vida está em ser feliz.
Dalai Lama, Líder politico e espiritual tibetano
Ao mamarmos ao peito da nossa mãe, provámos não apenas o seu leite mas também amor - o amor suficiente para sabermos que é a única coisa que nos pode satisfazer e que nos faltará para sempre.

A VIDA - Emile Brontë

A vida, acredita, não é um sonho
Tão negro quanto os sábios dizem ser.
Frequentemente uma manhã cinzenta
Prenuncia uma tarde agradável e soalhenta.
Às vezes há nuvens sombrias
Mas é apenas em certos dias;
Se a chuvada faz as rosas florir
Ó porquê lamentar e não sorrir? Rapidamente, alegremente
As soalhentas horas da vida vão passando
Agradecidamente, animadamente
Goza-as enquanto vão voando. E quando por vezes a Morte aparece
E consigo o que de Melhor temos desaparece?
E quando a dor se aprofunda
E a esperança vencida se afunda? Oh, mesmo então a esperança há-de renascer,
Inconquistável, sem nunca morrer.
Alegre com a sua asa dourada
Suficientemente forte para nos fazer sentir bem
Corajosamente, sem medo de nada
Enfrenta o dia do julgamento que vem.
Porque gloriosamente, vitoriosamente
Pode a coragem o desespero vencer.
Emile Bronte

Vive o Dia de Hoje! - Vergílio Ferreira

Vive o Dia de Hoje! Não penses para amanhã. Não lembres o que foi de ontem. A memória teve o seu tempo quando foi tempo de alguma coisa durar. Mas tudo hoje é tão efémero. Mesmo o que se pensa para amanhã é para já ter sido, que é o que desejamos que seja logo que for. É o tempo de Deus que não tem futuro nem passado. Foi o que dele nós escolhemos no sonho do nosso absoluto. Não penses para amanhã na urgência de seres agora. Mesmo logo à tarde é muito tarde. Tudo o que és em ti para seres, vê se o és neste instante. Porque antes e depois tudo é morte e insensatez. Não esperes, sê agora. Lê os jornais. O futuro é o embrulho que fizeres com eles ou o papel urgente da retrete quando não houver outro. Vergílio Ferreira

HAMLET - Ser ou não Ser - Shakespeare

Ser ou não ser, eis a questão.
O que é mais nobre? Sofrer na alma
As flechas da fortuna ultrajante
Ou pegar em armas contra um mar de dores
Pondo-lhes um fim? Morrer, dormir
Nada mais; e por via do sono pôr ponto final
Aos males do coração e aos mil acidentes naturais
De que a carne é herdeira, num desenlace
Devotadamente desejado. Morrer! Dormir; dormir
Dormir, sonhar talvez: mas aqui está o ponto de interrogação;
Porque no sono da morte, que sonhos podem assaltar-nos
Uma vez fora da confusão da vida?
É isso que nos obriga a reflectir: é esse respeito
Que nos faz suportar por tanto tempo uma vida de agruras.
Pois quem suportaria as chicotadas e o escárnio do tempo
As injustiças do opressor, as afrontas dos orgulhosos,
A tortura do amor desprezado, as demoras da lei,
A insolência do oficial e os pontapés
Que o paciente mérito recebe do incompetente
Quando o próprio poderia gozar da quietude
Dada pela ponta de um punhal? Quem tais fardos suportaria
Preferindo gemer e suar sob o peso d…

Uma Significação para a Vida - Vergílio Ferreira

Como é que o homem vai viver sem uma significação para a vida? Donde essa significação? Os sucedâneos dos deuses atropelam-se tumultuosos, mas duram menos que os deuses, duram menos que um homem. Imaginei um dia que o homem viria a aceitar a sua condição em plenitude. Só não imagino esse homem. Porque imaginando-o como me é possível, penso que admitirá uma transcendência inominável, uma dimensão que supere o imediato da vida. Só que o pensá-lo não me afecta o sentir. Tenho o enigma mas não a chave que o desvende. Sei a interrogação, mas não posso convertê-la na pergunta a que se dá uma resposta. Da integração do homem no mistério do universo o que me fica é a vertigem. Mas aguento-me aí sem me retirar do abismo nem cair nele. O curioso é que são os «racionalistas» quem menos se perturba com a sem-razão de tudo isto. Porque eles é que deviam saber, mais do que os outros, o porquê e o para quê. Não querem. O mundo existe-lhes assim mesmo, sem significação. Para mim me existe também. Ma…

Não Penses - Vergílio Ferreira

Não penses. Que raio de mania essa de estares sempre a querer pensar. Pensar é trocar uma flor por um silogismo, um vivo por um morto. Pensar é não ver. Olha apenas, vê. Está um dia enorme de sol. Talvez que de noite, acabou-se, como diz o filósofo da ave de Minerva. Mas não agora. Há alegria bastante para se não pensar, que é coisa sempre triste. Olha, escuta. Nas passagens de nível, havia um aviso de «pare, escute, olhe» com vistas ao atropelo dos comboios. É o aviso que devia haver nestes dias magníficos de sol. Olha a luz. Escuta a alegria dos pássaros. Não penses, que é sacrilégio.

Vergílio Ferreira

TABACARIA - Fernando Pessoa (texto integral)

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a pôr humidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada. Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida. Estou hoje perplexo como quem…

O problema do sentido da existência

Quem é que, num momento ou noutro, ao olhar um céu nocturno, ao contemplar uma flor ou ao reflectir sobre si próprio e os outros seres humanos, não se interrogou já acerca da razão de ser disto tudo ou não se perguntou por que razão está aqui e como deve viver para que a sua vida tenha sentido? Estas são questões que têm intrigado os homens desde tempos imemoriais e são certamente algumas das perguntas mais importantes que o ser humano pode colocar sobre si próprio. Há mesmo quem, como Albert Camus, vá ao ponto de afirmar que estas são as únicas questões verdadeiramente importantes: Só há um problema filosófico verdadeiramente sério: é o suicídio. Julgar se a vida merece ou não ser vivida, é responder a uma questão fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois. São apenas jogos; primeiro é necessário responder. (...) Se pergunto a mim próprio como decidir se determinada interrogação é mais premente …